Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
13/07/21 às 18h10 - Atualizado em 13/07/21 às 18h10

Roteiro turístico faz de Brasília um museu do rock a céu aberto

COMPARTILHAR

Placas sinalizadoras vão contar a história do estilo consagrado como Patrimônio Cultural Imaterial do DF 

 

 

“Não quebrem nada!”. Foi o pedido do dono do bar Cafofo, Rênio Quintas, a Renato Russo quando lhe pediu o porão do bar para os ensaios da banda de punk rock Aborto Elétrico, em 1979. “Não quebraram nada e quebraram tudo!”, disse o empresário referindo-se ao início do movimento do rock brasiliense que mudou a trajetória do estilo musical na cidade e no Brasil. A declaração foi feita durante a inauguração da primeira sinalização da Rota Brasília Capital do Rock, na manhã desta terça-feira (13), Dia Mundial do Rock, na Torre de TV.  

 

O bar Cafofo, localizado na CLN 407, é um dos quarenta pontos que compõem o roteiro, mapeados pela Secretaria de Turismo e pelo vocalista da banda Plebe Rude, Philippe Seabra. “Brasília sempre foi a Capital do Rock, mas foi preciso um novo olhar sobre a cidade e um governo de ação e integrado, que trabalha pela população, para viabilizar esse presente para a cidade, para as gerações que construíram essa história e para as gerações futuras, que poderão ver no rock um futuro profissional”, afirmou a Secretária de Turismo Vanessa Mendonça.

 

 “Não sei se a gente conseguiu mudar o mundo, mas a gente conseguiu mudar o nosso mundo”, disse Philippe Seabra sobre o rock brasiliense. “A galera da Colina, onde tudo começou, tinha muita curiosidade intelectual, vontade de resolver e mudar as coisas. Tivemos uma oportunidade rara, que foi crescer junto com a cidade. Essa rota tem a participação de toda a história do rock, da galera que começou nos anos 60, 70 e se desenvolveu na década de 80, 90 e 2000, conta a vida de todos nós. Além disso, vai ajudar a relembrar aos jovens o que se pode fazer com postura, com verve, afinal o rock está ligado ao turismo de Brasília, ao turismo cívico também”, finalizou. 

 

 

“É uma alegria ver este projeto se materializar. Na primeira reunião de trabalho, recebemos representantes do rock, pegamos uma folha em branco e iniciamos o rascunho do projeto que hoje se concretiza”, lembrou o secretário de Economia, André Clemente, ao destacar que a criação da Rota Brasília Capital do Rock faz parte do Pro Economia – Etapa I. O pacote de 20 medidas foi lançado em maio para apoiar os setores mais afetados pela pandemia da COVID 19.

 

“O rock tem o poder de mudar, de transformar”, acrescentou o secretário André Clemente.

 

O professor de Turismo da Upis, Leonardo Brant, destacou que teve a oportunidade de participar do projeto indicando alguns pontos do roteiro, inclusive o inaugurado na Torre de TV. “A Upis é pioneira do curso de Turismo no Centro-Oeste, um setor multifacetado, que está integrado com a cultura, com o rock, com a produção associada e através do turismo temos de valorizar o que temos na cidade e o rock é um produto fantástico”, falou.

 

Primeiro acorde

 

 

Um show improvisado, como acontecia nos anos 80 com instrumentos no chão e muito sangue no olho, marcou o início da Rota Brasília Capital do Rock. Integrantes da banda Distintos Filhos, Plebe Rude, Raimundos, Móveis Coloniais de Acaju, Rock Beats, Mel da Terra e Célia Porto tocaram músicas que fizeram o chão da Torre de TV tremer.  

 

O movimento do Rock começou há duas ou três gerações com os Infernais e se fortaleceu nos anos 80 e 90, com a galera da Colina. “Pude vivenciar isso e de várias formas, como amigo, participante e, do outro lado da mesa, como empresário e produtor do Porão do Rock, colocando as bandas para tocar. A Rota é a confirmação da genuinidade cultural do Rock de Brasília, que nasceu debaixo dos blocos, dos pilotis. É uma coisa incrível porque ela vai  manter essa história na memória”, considerou Gustavo Sá.

 

A vocalista do Rock Beats, Daniela Firme, vê na iniciativa um incentivo para as pessoas virem a Brasília conhecer o que acontecia debaixo do bloco, nos espaços abertos, dentro do movimento musical. Segundo a artista, “a cidade tem um enorme potencial turístico a ser explorado pela música e a Setur-DF tem feito esse caminho integrado com a cultura local”.

 

Para Digão, vocalista dos Raimundos, a rota é uma conquista muito importante e será uma grande viagem no túnel do tempo para os amantes do rock brasiliense e do Brasil. “Brasília merecia essa iniciativa. Existe um enorme reconhecimento da cidade como a Capital do Rock”.

 

 

“A polícia vinha, a gente corria, o Dinho fazia uma letra, o Renato e o Philippe faziam outras letras. O rock de Brasília sempre foi revolucionário. Em qualquer parte do mundo, a gente vê a cultura local apoiada pelo estado e hoje a gente está vendo uma realização que tem essa integração. O poder público sempre teve os olhos fechados para o movimento cultural que se fazia na cidade. Que essa inauguração seja o marco inicial dessa representatividade para que os governos sempre trabalhem para manter viva essa música que revolucionou a cultura  de Brasília e do Brasil”,  considerou o vocalista do Detrito Federal, PC Cascão.

 

Ricardo Jatobá, vocalista da banda Capacetes do Céu, cresceu na cidade e fez parte da história do rock brasiliense. Para ele, é necessário deixar registrado pro Brasil e pro mundo que Brasília é mesmo a capital do rock. A tradição cultural, gastronômica e musical que a cidade tem hoje começou lá atrás, num momento em que não havia muita coisa para fazer. “Esse trabalho da Secretaria de Turismo, junto com o Philippe Seabra, a secretaria de Economia e a Upis projetam esse movimento cultural”

 

Rota do Rock

 

A secretária Vanessa Mendonça declarou que a concretização da Rota Brasília Capital do Rock só está sendo possível pela importância dada ao projeto pelo governador Ibaneis Rocha e pela parceria com a Secretaria de Estado de Economia e a faculdade União Pioneira de Integração Social, a UPIS. A secretária de Turismo acredita que moradores e turistas terão uma experiência única pelo olhar do estilo musical que consagrou a história da cidade e foi tombado como Patrimônio Cultural Imaterial do DF pela Lei Distrital nº 5.615. 

 

 

A rota Brasília Capital do Rock passa a integrar diversas outras rotas criadas pela Setur-DF para ajudar moradores e visitantes a conhecerem melhor os atrativos da capital federal e segue um padrão internacional de sinalização, com informações bilíngues em Inglês e Espanhol para atender também o turista estrangeiro. A Coleção Rotas Brasília conta, ainda, com a Rota Fora dos Eixos; do Cerrado; da Paz; Cultural; Náutica, Cívica e Arquitetônica. Essas já estão mapeadas e disponibilizadas no site da Setur-DF (http://www.turismo.df.gov.br/).

 

Quando o público chegar a uma destas estações terá a oportunidade de conhecer o fato do rock ocorrido ali, por meio de um resumo da história. Acessando um QR Code, será possível ampliar este conteúdo no Google Earth. As placas, com iconografia padrão e identificação por uma nota musical, contar a história resumida remetida àquele local.  Ainda nesta semana, outras 14 placas sinalizadoras serão instaladas em locais como a Colina da UnB, Ermida Dom Bosco e Espaço Cultural Renato Russo, entre outros. 

 

“Brasília não mudou, o que mudou foi o olhar da Secretaria de Turismo sobre ela. Estamos trabalhando diuturnamente para ressignifcar a experiência do morador com a sua cidade. Uma cidade só será boa para o visitante, se ela for maravilhosa para o seu morador. É com esse olhar que estamos fazendo essa entrega a todos vocês. Viva o Rock, viva o Turismo, viva Brasília”, finalizou a secretária Vanessa Mendonça. 

Leia também...