Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
5/06/20 às 14h45 - Atualizado em 5/06/20 às 14h46

Setur apoia reestruturação do Parque de Exposições Granja do Torto

COMPARTILHAR

Programa conta com sete macroprojetos para o desenvolvimento agropecuário no DF

 

 

A Secretaria de Turismo do Distrito Federal vai apoiar o programa de reestruturação do Parque de Exposições Granja do Torto (PGT), um importante espaço para o desenvolvimento da agropecuária do DF. Nesta sexta-feira (5), o diretor-presidente do Serviço Social Parque Granja do Torto, Eugênio Faria, apresentou o plano de ação para a equipe da Setur, por meio de videoconferência. O programa é composto por sete macroprojetos, sendo os principais a criação do Parque Agro Brasil, da Cidade Agro e o PGT Eventos. O planejamento é alinhado com as atuais políticas do GDF e promoverá o crescimento do setor, resultando em negócios promissores para o agronegócio local.

 

A secretária de Turismo do DF, Vanessa Mendonça, já está trabalhando nas ações que serão implementadas em parceria com o parque para a promoção do turismo. “Nós vamos prestar todo o apoio para a estruturação do projeto, que é da maior importância para o turismo do DF, e levaremos as ações da Setur para dentro do parque. O presidente cedeu um espaço para a criação de um Centro de Atendimento ao Turista (CAT), um centro de apoio aos trilheiros, e também estamos estudando de que forma iremos inserir o artesanato nesse projeto. Sem dúvidas, essa ressignificação do local é fundamental para o fortalecimento da cadeia produtiva do setor”.

 

O programa prevê ainda a construção do Hospital Veterinário PGT, que terá capacidade para atender grandes animais e funcionar como centro de pesquisa; a criação do Mercado Agro, para a realização de leilões e feiras de agricultura familiar; e a implementação do Agro Serviços, com ações voltadas para o turismo rural, participação do Caminhos do Planalto Central, hospedaria para animais, capacitação técnica e especializada, entre outros. “A criação do hospital veterinário se destaca no nosso projeto como uma oportunidade de negócios que se integra a uma cadeia completa para atendimento ao setor agropecuário do Distrito Federal e de todo o Brasil”, explicou o diretor-presidente do Serviço Social Parque Granja do Torto, Eugênio Faria.

 

Com a nova estrutura, o PGT vai melhorar ainda mais as condições para receber grandes eventos, como é o caso do Brasília Capital Moto Week, o maior encontro de motociclistas da América Latina, que conta com o apoio da Setur para sua realização. O parque também pretende retomar a realização da Exposição Agropecuária de Brasília (Expoabra). “O local terá uma enorme estrutura e capacidade para receber grandes eventos, o que é de grande relevância para a nossa capital. Todos os espaços e a estrutura que está sendo planejada vão fazer com que Brasília consiga resultados concretos para o seu desenvolvimento. O projeto permitirá que a gente consiga captar negócios, trazer grandes eventos, mesmo que sejam eventos adaptados para essa nova realidade”, destacou a secretária.

 

Outra ação importante é um dos maiores projetos do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar). Está previsto um investimento de R$ 85 milhões para a criação da Universidade Senar, de um pavilhão de feiras internacional e de um centro de genética equina nacional. “O turismo rural é uma fonte de renda muito grande. Pretendemos criar o maior parque de exposições do Brasil, com destaque internacional”, concluiu Faria.

 

Regularização Fundiária

A viabilização do projeto será possível devido à regularização fundiária, promovida em dezembro de 2019 pelo GDF. Depois mais de 20 anos de insegurança jurídica, o governador Ibaneis Rocha assinou a Concessão de Direito Real de Uso (CDRU) ao Serviço Social Autônomo Parque Granja do Torto (PGT), permitindo firmar parceria com a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) para implantação do maior e melhor parque de exposições do Brasil.

 

A concessão de cerca de 60 hectares de terras foi feita pela feita Companhia Imobiliária de Brasília (Terracap) à organização social de caráter privado que administra o local. Ela é válida pelo prazo de 30 anos, prorrogáveis pelo mesmo período. A contrapartida é uma retribuição anual de 0,5% sobre o valor de avaliação do hectare da terra, estabelecida pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), o que vai gerar receita em torno de R$ 320 mil para companhia.

 

O Parque Granja do Torto é uma instituição de serviço social autônoma, sem fins lucrativos, que atua como residência oficial do segmento agropecuário do Distrito Federal. Tem como objetivo incrementar e integrar as cadeias produtivas, fomentar as atividades econômicas e o desenvolvimento do setor na região metropolitana do DF.