Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
5/06/20 às 20h02 - Atualizado em 5/06/20 às 20h02

Setur-DF acolhe movimento junino e debate abertura de CAT em Ceilândia

COMPARTILHAR

Centro de Atendimento ao Turista vai ficar dentro da Casa do Cantador, tradicional centro cultural da região administrativa

 

Não dá para negar a importância e força dos inúmeros arraiás que acontecem em Brasília não só em junho, mas durante todo o inverno. São manifestações que promovem a imagem da cidade como um polo multicultural e que movimentam a economia do DF e entorno. A Secretaria de Turismo promoveu uma reunião, por videoconferência, com Marcelo Rodrigues, conselheiro de cultura da Ceilândia e presidente da quadrilha Mala Véia, para conversar sobre diversos projetos, entre eles a instalação do Centro de Atendimento ao Turista (CAT) na Casa do Cantador, localizada em Ceilândia.

 

“A cultura que você representa nos enche de alegria, esperança e motivação. Queremos quebrar essas barreiras invisíveis. E, com o trabalho da Setur, queremos promover essa integração”, iniciou a secretária de Turismo, Vanessa Mendonça, durante o encontro. Atualmente, a capital conta com o Circuito de Quadrilhas Juninas do Distrito Federal e Entorno, que possui 20 anos e 4 mil brincantes que nos representam país afora.

 

Segundo Marcelo, a pandemia causada pelo Covid-19 paralisou as atividades, mas os agentes culturais continuam se mobilizando para pensar soluções. “Estive com a Associação dos Forrozeiros, presidentes das escolas juninas, com as escolas de samba, e diversos líderes comunitários e culturais para nos unirmos. Vivemos em um museu a céu aberto, que é Brasília, e toda atração cultural é turística, e toda atração turística, é cultural”, disse.

 

A Secretaria de Turismo está em fase de implementação de um CAT dentro da Casa do Cantador. Considerada o Palácio da Poesia e da Literatura de Cordel no Distrito Federal, foi inaugurada em nove de novembro de 1986 e está localizada em Ceilândia – cidade que concentra um grande número de imigrantes da Região Nordeste. “Tivemos que fazer essa pausa por causa do coronavírus, que não foi planejada, mas foi necessária. Temos todo um planejamento para ressignificar esse espaço símbolo da dessa cidade”, falou a representante da Pasta.

 

O Maior São João do Cerrado é outra manifestação de peso na cena cultural. Em três dias de festival arrasta uma multidão de 300 mil pessoas – movimentando o turismo, colocando a capital no circuito junino nacional e mostra a força que esse movimento possui. “Temos um investimento profissional muito grande. Para a quadrilha entrar no arraiá tem uma equipe enorme envolvida. Movimentamos 70 mil empregos formais e informais”, complementou Marcelo.

 

“A cultura e o turismo caminham de mãos dadas. Pela primeira vez a cidade conquistou uma participação no Conselho da Organização das Cidades Brasileiras de Patrimônio Mundial. Nós vamos dar relevância ao nosso patrimônio e Ceilândia e a Casa do Cantador são patrimônios que temos que valorizar e fortalecer com uma programação para a população viver a cultura e fortalecer a região economicamente”, finalizou Vanessa Mendonça.